sexta-feira, 3 de julho de 2009

Homework forçado

Então não é que fui apanhada por uma tremenda conjuntivite?!
Não chegou a pestana encravada que me levou ao hospital a semana passada, não é que agora tenho aquele aspecto de quem levou um murro no olho esquerdo?!

Depois de uma semana a colocar gotinhas e mais gotinhas, lá fui eu mais uma vez ao hospital com um olho num péssimo estado, para receber mais umas gotinhas e algumas recomendações...

Enfim, hoje tive mesmo que ficar em casa. Além de estar praticamente com o olho fechado, de tão inchado que está, o vermelho também não fica nada bem e, dá aquele aspecto de noiva do Drácula. Ainda bem que as pessoas reconhecem uma conjuntivite caso contrário poderiam pensar que andei nos copos!

Bom, para quem já teve uma inflamação nos olhos, sabe bem do que estou a falar, o lacrimejar constante, a irritação e a comichão, a sensibilidade à luz, a sensação de areia nos olhos, mas para quem desconhece completamente, ficam aqui algumas informações:

Assim, a conjuntivite pode ser alérgica, resultando de uma reacção dos olhos à poeira, ao pólen, a cosméticos, lentes de contacto, fumo, pêlo de animais e contacto directo com água tratada com cloro. Pode igualmente ter manifestações sazonais, andando então associada a alergias como a chamada febre dos fenos.

Vírus e bactérias dividem, no entanto, a maior fatia das responsabilidades, a eles se devendo o carácter infeccioso e contagioso da conjuntivite. A principal diferença consiste na duração do incómodo: se o agente infeccioso é viral, os sintomas podem desaparecer em dois ou três dias; já se for bacteriano, as melhoras demoram mais algum tempo, sendo precisas uma ou duas semanas para que os olhos retomem a boa forma.

Independentemente do agente agressor, tudo começa por um «ataque» à conjuntiva, uma fina membrana que cobre o branco dos olhos (esclera) e cuja função é produzir muco para proteger e lubrificar a superfície ocular. Normalmente, a conjuntiva possui vasos sanguíneos visíveis bem de perto. Ora, quando se dá a agressão, esses vasos dilatam, ficam mais proeminentes, tornando o olho vermelho. A vermelhidão é, aliás, a única forma que a conjuntiva, sendo um tecido simples, tem de reagir aos estímulos. E esse é o primeiro sinal de conjuntivite.

Há algumas regras que, se respeitadas, permitem prevenir o contágio:


- Lavar as mãos e o rosto com frequência
- Não coçar os olhos
- Não encostar o frasco do colírio ou a pomada ao olho
- Não partilhar toalhas e trocá-las com frequência
- Não usar maquilhagem de outras pessoas
- Não usar lentes de contacto enquanto durar a inflamação
- Evitar o contacto com as outras pessoas
- Não pegar bébés ao colo



Assim, meus caros amigos, com três crianças e um marido em casa, com uma profissão que me leva a estar em contacto com várias pessoas todos os dias, digam lá o que é que eu posso fazer?! Hoje, vou ficar por casa, e vamos ver se durante o fim de semana esta "coisa" melhora.

Um lado positivo... ficar em casa permitiu escrever este post e vou concerteza visitar alguns amigos virtuais...

2 comentários:

Ana S. disse...

Oi amiga!
A conjuntivite é uma grande chatice e todo o cuidado agora é pouco. Foi engraçado ver que pelo meio ainda conseguiste dar uma pitada de humor á cosia ehehe
Beijinhos e as melhoras

Jorge Ramiro disse...

Eu compro lentes de contato e mudo cada seis meses. Eu tenho muitas lentes. Mas não espero até que comece a incomodar, porque isso é irritante para os olhos. Cada seis meses eu compro novas lentes de contato coloridas. Eu gosto disso. Eu me sinto seguro. E assim eu posso mudar as cores também.